domingo, maio 28, 2006

«A senhora pode olhar pelos Mapuches, por favor?»

«A Presidente do Chile, Michelle Bachelet veste um vestido azul e sente-se cómoda. O seu embaixador, o democrata-cristão Enrique Krauss, imposto pela Endesa e Martín Villa, o seu actual director-geral no Governo de Ricardo Lagos encarrega-se de despachar da lista e eliminar toda a pessoa indesejável na recepção oficial de intelectuais e gente da cultura que o reino de Espanha oferece à sua convidada.»
Assim começa um artigo de Marcos Rosenmann de La Jornada/La Rebelíon e publicado no site da Attac de Madrid. O que aconteceu depois foi mais ou menos isto:

José Saramago encontrava-se na homenagem à presidente do Chile e tomaria da palavra. Enfim, sempre era um nobel e era muito difícil colocá-lo no rol dos excluídos e indesejados. Portanto, tomaria a palavra. E quando a toma, pouco a pouco, a cor branca toma lugar da cara da Sra. presidente que até é socialista. São 10:30 da manhã e já está tudo mal-disposto. O embaixador Krauss, tipo corrupto e a soldo do antigo governo de Pinochet e com algumas acusações de tortura condizentes com esta colaboração, enquanto insulta Saramago deveria ter pensado, para consigo, que a proposta do governo de Espanha foi insensata. Se ainda fosse Vargas-Llosa, Carlos Fuentes ou Jorge Castañeda! Mas não, teria de ser aquele tipo?

Saramago centrou o discurso nos Mapuches que, neste momento, estão sob a alçada da Lei Anti-terrorista podendo, portanto, ser presos, torturados e mortos sem quaisquer pressupostos legais, essa maçada dos governos modernos e fracos. Saramago:
«Quero pedir-lhe que olhe pelos Mapuches... falo da sua condição de Mapuches e de chilenos e de como os direitos dos chilenos não chegam até eles... Estes habitantes originários que têm estado arredados destes direitos, agora vêm-se atacados pelas multinacionais que vêm tirar-lhes a suas terras para construir indústrias... Assim, peço-lhe que o que vou dizer-lhe não o diga a mais nenhuma autoridade, mas há um tempo fui ao Chile e mantive uma reunião clandestina com uma Comunidade Mapuche, e quando saí do Chile, inteirei-me depois, esse mesmos Mapuches tinham sido detidos e estavam na prisão.»

A resposta da senhora foi lacónica. Não ocupou um simples minuto. 60 segundos. Que disse ela? Que a questão indígena sempre a preocupou muito. Não teve tempo certamente de falar em relatórios que falam de prisões indiscriminadas, greves de fome, expropriação violenta e ilegal de terras mapuches, detenções ilegais e acusações e decisões judiciais aplicadas com a Lei-Antiterrorista.

Este confronto teve lugar a 16 de Maio. Eu li-o, por acaso, a 22. No mesmo artigo de Marcos Rosenmann, também havia uma outra acusação: a do silenciamento dos media europeus. Os mapuches ainda não devem ter agências de comunicação, por certo. Quanto a Saramago, às vezes penso que...
ALC
Enviar um comentário