segunda-feira, fevereiro 08, 2016

Planificação Editorial Deriva Editores 2016


PLANIFICAÇÃO EDITORIAL 2016 DERIVA EDITORES

derivaeditores.blogspot.pt /infoderivaeditores@gmail.com

E aqui vai mais um ano, agora o de 2016, em que a Deriva Editores se apresenta tal como ela é: com as parcerias úteis, com gostos sólidos, amizades apreendidas no trabalho e na criação de novos projetos, conseguindo uma grande coerência editorial de que nunca abdicaremos.

Este ano, apresentamos na Coleção A Ordem das Coisas, coordenada pelo Instituto de Sociologia da FLUP e por Bruno Monteiro, Antonio Gramsci: Ganhar o futuro. Textos de combate (1914-1926) que tardavam em ser reeditadas em Portugal e que estão a ser alvo de grande divulgação internacional este ano.
O período de tempo compreendido entre o início da I Guerra Mundial, em que a Itália participou como país beligerante, e a consolidação autoritária do fascismo italiano, foi ocupado também pela intensa actividade de resistência cultural e política pelos movimentos progressistas italianos. A consolidação da linha de pensamento e acção original destes movimentos teve em António Gramsci um notável executor. Ao longo deste período, afinal aquele que lhe granjeou destaque entre os seus contemporâneos, Gramsci haveria de participar intensamente nas actividades de esclarecimento público e intervenção política: escrevendo memorandos para as conferências do Partido Comunista Italiano, acompanhando as iniciativas dos «Círculos Operários» de Turim, avaliando as revoluções russa e alemã, discutindo no Parlamento com Mussolini e outros fascistas. Este volume reúne precisamente uma antologia destas intervenções, mostrando, para retomar o título da introdução de Bruno Monteiro, que organiza o volume, quem era «Gramsci antes de Gramsci».

Também na Ordem das Coisas publicar-se-á Max Weber, A ascensão do Estado. As práticas políticas, as lutas partidárias e o modo de dominação burocrática.
Pela primeira vez em Portugal são publicados os textos de Max Weber sobre a tutela do Estado sobre a sociedade, a lógica das lutas partidárias e as práticas quotidianas dos agentes políticos, reunindo num volume um conjunto de pesquisas que permitem um novo olhar sobre o universo político. Numa altura onde as regras do jogo político parecem mudar rapidamente, sendo sujeitas a uma dúvida sistemática que ameaça os próprios compromissos que sustentam a democracia, a leitura deste volume de textos permite-nos responder à excitação apaixonada dos preconceitos e fúrias políticos, que tem sido mobilizada pelos actores da política, com a soberana tranquilidade da razão sociológica, premunindo-nos contra manipulações interesseiras e inconsciências programadas. Escrevendo nos anos subsequentes à I Guerra Mundial, quando as paixões políticas se inflamavam e ameaçavam queimar quem com elas transigia, estes textos de Max Weber são uma visão lúcida sobre as causas do reaccionarismo germânico dos anos anteriores à ascensão do nacional-socialismo.

O terceiro livro desta coleção a que a Deriva deu corpo juntamente com o seu coordenador Bruno Monteiro (que também os traduziu) será de Jacques Bouveresse, A sátira e a moda, o progresso e o declínio. Ensaios sobre Musil, Wittgenstein, Freud, Kraus e outros. O grande filósofo francês Jacques Bouveresse, professor emérito do Collège de France, reúne neste volume uma galeria de retratos sobre os maiores pensadores do século XX. Vamos assim, percorrer um horizonte das referências intelectuais que vai de Sigmund Freud a Karl Kraus, passando por Ludwig Wittgenstein ou Robert Musil. Num só destes textos, Bouveresse oferece-nos simultaneamente uma visão do pensamento destes autores e um exemplo da delicada e profunda leitura crítica de que ele, Bouveresse, é mestre.

Xavier Queipo: um autor já conhecido em Portugal volta a ser editado na Deriva com as suas Crónicas Animalistas, seguidas de Pequenos Mundos. Depois do seu primeiro Bebendo o Mar (2004), os Ciclos do Bambu (2008) e Dragona (2011) e uma presença nas Correntes d’Escritas na Póvoa de Varzim e nas Literaturas em Viagem, em Matosinhos, esperamos que volte a ser tão bem recebido pelo público português como o foi na Galiza, em Espanha, em França e na Bélgica. A tradução estará a cargo de Luís Filipe Sarmento.

Del Furore d’ aver Libri / Do prazer de ter livros, título ainda provisório, também será traduzido pelo consagrado Luís Filipe Sarmento. Um livrinho excecional e comovente pelo seu interesse histórico e por ser um guia de como tratar os livros e do prazer em tê-los e fazê-los. Quem o escreveu foi Gaetano Volpi, um bibliófilo veneziano do século XVIII que, juntamente com o seu irmão foi proprietário da Livraria Camoniana de Veneza. O que fazer para que os ratos não roam o couro dos livros, ou que os gatos urinem para as suas folhas... eis um guia precioso para conservar livros na era da computação.

A poesia sempre. As estantes dos grandes espaços encolhem-nas, mas não nos apetece desistir. Porque nos faz viver e ver tudo de outra maneira. Como nós queremos. Este ano avançamos com Ricardo Gil Soeiro com Palimpsesto (já editou, com a Deriva, Bartlebys Reunidos) e Pedro Ribeiro, com Beat.

A parceria com a edição portuguesa do Le Monde Diplomatique está aí para durar e cimentar-se na edição de livros que acompanham este excelente jornal de pensamento crítico (o único?). Depois de Este País não Existe, de De Pé ó Vítimas da Dívida, de Correntes Invisíveis e A Engrenagem do Terror, todos com uma agradável receção, sairão a público mais dois volumes em 2016. São eles:
O livro do esquecimento. Memória, trauma e violência entre a história e o vazio. Uma selecção a realizar por entre os textos publicados pelo jornal. Garantido fica, desde já, um itinerário que vai da Espanha franquista à Indonésio de Suharto, da «caça às bruxas» norte-americana à «Operação Condor» latino-americana, do colonialismo europeu em África à guerra da partição entre a India e o Paquistão.
A nova vida do Leviatã. Hegemonia e intervenção autoritária do Estado nos séculos XX e XXI: Pensar o Estado sem o pensamento de Estado, recorrendo, para isso, a originais investigações sobre as políticas do Estado português (Rui Pedro Pinto, Patrícia Matos, João Queirós, Manuel Loff, Nuno Serra, Lise Desvallées, Miguel Heleno, José Madureira Pinto, Ronald Chilcote, Victor Pereira, Nuno Domingos … ), que serão reforçadas por textos de alguns dos mais influentes cientistas sociais da actualidade (Loïc Wacquant, Vincent Dubois, Jürgen Kocka, Philippe Bourgois, Helène Michel, Alexis Spire).

Os Cadernos Desobedientes, livrinhos inquietantes de baixo preço, depois de editados Desobedecer à Praxe e Desobedecer à União Europeia, continuará a sua ação de nos precaver contra o pensamento único instalado, com Desobedecer ao Género, de João Manuel Oliveira e Desobedecer pela Escola, de Hugo Monteiro e Inês Barbosa. No segundo semestre publicar-se-á Desobedecer às Indústrias Culturais, de Regina Guimarães e Desobedecer através do Riso, de Miguel Viterbo. A parceria da Deriva é, mais uma vez, com a Cultra, do Porto.

A partilha de ideias com o Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa da FLUP, traduzir-se-á com a edição de mais três livros. Um na coleção Cassiopeia, Revisitar Annemarie Schwarzenbach, de Gonçalo Vilas-Boas e dois na pequena coleção Pulsar, Morelli, Freud e Sherlock Holmes: indícios e método científico, de Carlo Ginzburg e Figurinus: O Corpo em Cena, de Gonçalo Vilas-Boas e Isabel Morujão, este último para o público que ama particularmente o teatro.

Na sociologia e política, a Deriva continua a agitar as águas com dois livros, A Vida entre Nós: a Sociologia em Carne Viva, de Sofia Lai Amândio, Pedro Abrantes e João Teixeira Lopes e Desigualdades Sociais e Participação Educativa de Adultos, com a coordenação do professor Luís Rothes, da ESE do Porto.

Cidades Materiais, será a edição de mais um livro de crónicas da autoria de António Alves Martins que nos conta périplos, pequenas e grandes viagens em torno de lugares improváveis com encontros ainda mais improváveis na cidade de Lisboa e outras paragens mais distantes.

Título
Autor
Mês
Parceria com
Coleção
Ganhar o futuro. Textos de combate (1914-1926)

Antonio Gramsci
Março
Instituto de Sociologia da FLUP / Deriva
Tradução de Bruno Monteiro
Sociologia / A Ordem das Coisas
A ascensão do Estado. As práticas políticas, as lutas partidárias e o modo de dominação burocrática.



Max Weber
1º semestre
Instituto de Sociologia da FLUP / Deriva
Tradução de Bruno Monteiro
Sociologia / A Ordem das Coisas
A sátira e a moda, o progresso e o declínio. Ensaios sobre Musil, Wittgenstein, Freud, Kraus e outros.



Jacques Bouveresse
2º semestre
 Instituto de Sociologia da FLUP / Deriva
Tradução de Bruno Monteiro
Sociologia / A Ordem das Coisas
Crónicas Animalistas, seguidas de Pequenos Mundos

Xavier Queipo
Abril
Tradução de Luís Filipe Sarmento
Romance
Del Furore d’ aver Libri / Do prazer de ter livros (título provisório)

Gaetano Volpi
Maio
Tradução de Luís Filipe Sarmento
Crónicas de um bibliófilo veneziano do século XVIII proprietário da Livraria Camoniana
Palimpsesto
Ricardo Gil Soeiro
Março

Poesia
Beat
Pedro Ribeiro
Maio

Poesia / Deriva de luxe
O Livro do Esquecimento. Memória, trauma e violência entre a História e o vazio
VVAA
Ao longo do ano
Edição Portuguesa do Le Monde Diplomatique /Deriva
Edição própria com a Deriva / Política / Sociologia / História
A Nova Vida do Leviatã. Hegemonia e intervenção autoritária do Estado nos séculos XX e XXI
VVAA
Ao longo do ano
Edição Portuguesa do Le Monde Diplomatique /Deriva
Edição própria com a Deriva/ Política / Sociologia / História
Desobedecer ao Género
João Manuel de Oliveira
1º semestre
Cultra / Deriva
Cadernos Desobedientes / Política / Sociologia
Desobedecer pela Escola
Hugo Monteiro e Inês Barbosa
1º semestre
Cultra / Deriva
Cadernos Desobedientes / Política / Sociologia
Desobedecer às Indústrias Culturais
Regina Guimarães
2º semestre
Cultra / Deriva
Cadernos Desobedientes / Política / Sociologia
Desobedecer através do Riso
Miguel Viterbo
2º semestre
Cultra / Deriva
Cadernos Desobedientes / Política / Sociologia
Revisitar Annemarie Schwarzenbach
Gonçalo Vilas-Boas
Fevereiro /Março
Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa da Flup / Deriva
Coleção Cassiopeia
Morelli, Freud e Sherlock Holmes: indícios e método científico
Carlo Ginzburg
Março / Abril
Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa da Flup /Deriva
Coleção Pulsar
Figurinus: O Corpo em Cena
Gonçalo Vilas-Boas e Isabel Morujão
Maio / Junho
Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa da Flup /Deriva

Coleção Pulsar
A Vida entre Nós: a Sociologia em Carne Viva
Sofia Lai Amândio, Pedro Abrantes e João Teixeira Lopes
Abril
FLUP / Sociologia
Sociologia / Política
Desigualdades Sociais e Participação Educativa de Adultos
Coordenação de Luís Rothes
Abril/Maio
ESE do Porto
Sociologia / Política
Cidades Materiais
António Alves Martins
Maio
Crónicas
Crónicas / Deriva de Luxe

Epístola aos Jovens Atores para que seja Dada a Palavra à Palavra, de Olivier Py


Manifestos Vorticistas, Wyndham Lewis. Parceria Deriva / ILC


Manual de Sabotagem - Escritos sobre Política, Memória e Capitalismo, de Elfriede Jelinek. Prémio Nobel


A Arte há de sobreviver às suas Ruínas, de Anselm Kiefer. Parceria ILC/FLUP, Deriva


Calma é apenas um pouco tarde, resistência na poesia portuguesa contemporânea, de Maria Leonor C. Figueiredo

À venda nas boas livrarias

A Engrenagem do Terror, parceria Deriva / Le Monde Diplomatique (ed. portuguesa).


Cadernos Desobedientes. Desobedecer à Praxe

Desobedecer à Praxe, de João Mineiro e Bruno Moraes Cabral. Nas boas livrarias.