sábado, outubro 29, 2011

Há textos cada vez mais atuais... A MOBILIZAÇÃO GLOBAL seguido de O ESTADO-GUERRA , Santiago López Petit

O fascismo pós-moderno como (auto)mobilização total
Ainda que seja difícil aceitá-lo: dizer o que hoje sucede é dizer aquilo que nos sucede. As antigas análises de conjuntura já não nos falam porque nos afundámos na realidade. Ao invés, uma descrição da neve é-nos bem mais útil para sabermos onde estamos. A neve não é branca, mas antes de uma sujidade pegajosa. Os pés que nela se arrastam, por exemplo, não conseguem livrar-se dela. A neve está sempre meia submersa. Desde quando é verdade que a verdade do mundo se nos impõe como a nossa única verdade? A resposta é simples. Desde que a realidade se unificou com o capitalismo. Antes não era assim. Dantes, quando as análises de conjuntura contavam — ou pelo menos quando acreditávamos que sim — a realidade podia transformar-se. Agora também: «Outro mundo é possível». É isso o que as Organizações Não-Governamentais (ONG) afirmam. Foi isso que meio milhão de pessoas afi rmou no dia 16 de Março de 2002, saindo à rua em manifestação contra a Cimeira da União Europeia (UE) reunida em Barcelona. A manifestação foi um êxito. Graças aos numerosos serviços de ordem, perfeitamente coordenados com a polícia através dos telemóveis, correu tudo muito bem. Todos concordaram com isso. Desde o Senhor Ministro do Interior até aos anizadores, passando pelos diversos tipos de polícias.
Com efeito, a manifestação foi um êxito. Mas a manifestação pareceu-se com um funeral. Todos juntos, a avançar, sem conseguirem que a neve derretesse, sequer, um pouco mais. Cada qual sozinho — com a sua história pessoal, os seus desejos, as suas pequenas esperanças — juntamente com todos os outros. Esta manifestação, para muitos, histórica, é o fascismo pós-moderno. Vou à manifestação porque quero ir. Gritarei: «Outro mundo é possível». Voltarei para casa e continuarei a minha vida de sempre. É evidente que ninguém me obriga a participar. Só faltava isso. Eu sou livre. Eis o fascismo pós-moderno. E, ainda assim, os partidos políticos e os sindicatos de classe foram os últimos a desfilar. E, cansados de esperar, já que não estão acostumados a esperar… decidiram ir para casa. O fascismo pós-moderno é uma mobilização total da vida1 que (re)produz a realidade que se nos impõe como óbvia. Não tem nada a ver com a «auto-implicação no trabalho», «com o pôr a trabalhar» dos afectos… Essa ainda é uma análise economicista. Aquilo que agora se passa é que o capital, enquanto selbstzweckmaschine (máquina que tem a sua finalidade em si mesma) cortou a circularidade da vida. É apenas por vivermos, mais exactamente por levarmos a vida que é a nossa, que (re)produzimos esta realidade que se nos apresenta como pura obviedade. Nos Estados Unidos tornou-se moda, especialmente depois de 11 de Setembro, implantar sob a pele um chip que diz quem se é. Desta forma, em qualquer circunstância, pode-se sempre ser perfeitamente identifi cado. É divertido. É como um piercing, mas mais moderno. É o fascismo pós-moderno. Não é necessário insistir muito para justifi car o porquê desta designação.
Estamos para além do panóptico e das suas múltiplas instituições disciplinares. Tampouco se trata somente de uma sociedade de controlo. O fascismo pós-moderno é a conjunção do (auto)controlo com a produção de diferença. Esta conjunção pode funcionar de modos diferentes, consoante se oriente para «projecto autónomo» ou bem como «imposição heterónoma». É daqui que decorre que a mobilização total da vida possua duas faces, ainda que complementares: a auto-mobilização (o Amor com maiúscula, a busca de si mesmo…) e a mobilização forçada (Estado penal, prisão…). Ficarmo-nos pela aproximação acima é totalmente insuficiente. O fascismo pós-moderno não é unicamente a descrição da modalidade actual de exercício do poder. No fascismo pós-moderno, para além disso, o capitalismo identifi ca-se com a realidade. Esta identificação implica o seu próprio rebentamento. Hoje, a realidade é única, mas diz-se de muitas maneiras. Estes modos de se dizer são as diversas formas históricas (neo-esclavagismo, fordismo, pós-fordismo), todas elas presentes na sua simultaneidade.
Na medida, em que o fascismo pós-moderno as contém a todas constitui a suaprópria culminação. Vejamos mais de perto o que quer dizer o termo culminação. Usualmente, conhece-se por pós-fordismo a etapa actual em que o capitalismo se dispersa e fl exibiliza. Para uma melhor descrição, é conveniente fazer referência à política da relação que o estrutura. A política da relação vigente neste período pode centrar-se no princípio da identidade. Quando o princípio da identidade funciona para dentro, gera uma cultura da empresa. Ao contrário, quando funciona para fora, gera uma cultura da emergência. Ainda que muito diversifi cada, a cultura da empresa tem no toyotismo a sua expressão mais acabada. O toyotismo, como é sabido, organiza a produção a partir de equipas de trabalho e funciona pela incorporação da linguagem da competição desportiva (equipas, passagens do testemunho…). O que nos interessa sublinhar é que esta organização aspira à criação de um nós, no local de trabalho. Um nós ou neo-corporativismo de pequena escala tal que, ainda assim, precisa de uma cultura da emergência e da excepcionalidade penal para controlar o de fora, o Outro. A cultura da emergência recorre à prisão como seu dispositivo fundamental. Existe uma legislação amplíssima, com todos os seus aparelhos que complementam e estendem esse controlo normalizador. Com razão se discute se o pós-fordismo é uma nova estabilização do fordismo, ou uma crise mais avançada. Utilizando a terminologia introduzida, poderíamos afirmar que essa ambiguidade deriva da não existência de um isomorfismo entre a cultura da empresa e a cultura da emergência. Por isso, o pós-fordismo tem obrigatoriamente que tender para a sociedade em rede. Na sociedade em rede o princípio de identidade funciona no interior do princípio da razão suficiente, o que permite uma reformulação das duas culturas que facilita a sua máxima convergência. A sociedade rede conectará entre si os segmentos mais dinâmicos da sociedade, ao mesmo tempo que os desconectará e  marginalizará. A sociedade-rede oferece um modo novo de resolver o afundamento da tríade democracia — Estado — capitalismo. Este novo modo que implica um verdadeiro salto por comparação com a mera convergência entre cultura da empresa e cultura da emergência, plasmar-se-á naquilo que anteriormente designámos por mobilização total (autónoma e heterónoma) da vida pelo óbvio. Pois bem, porque essa é a verdade da sociedade-rede, a esta etapa para que a sociedade tende chamámos fascismo pós-moderno. Neste sentido, o fascismo pós-moderno é, ao mesmo tempo, uma totalidade e a sua culminação.
            A MOBILIZAÇÃO GLOBAL seguido deO ESTADO-GUERRA , Santiago López-Petit

sábado, outubro 22, 2011

Apresentação da revista "Ensaios de Teatro"

Dia 28 de outubro, no Salão Nobre do TNSJ, pelas 18.30, apresentação da primeira edição da Revista "Ensaios de Teatro" uma revista de tiragem anual que integra artigos de vários colaboradores da companhia, convidados e um texto teatral inédito da autoria de Harry Mulisch.

Revista Ensaios de Teatro



Arranjo Gráfico e Paginação: João Moreira
Textos de: Ana Maria Ribeiro, António Durães, Eduardo Morais, Gil Costa Santos, Günter Heeg, Inês Leite, Jorge Deserto, Pedro Estorninho, Victor Pinto.
Texto Teatral a partir do original de Harry Mulisch. Tradução de Victor Pinto e Adaptação de Pedro Estorninho
 
Apoios e Parcerias: Associação José Afonso, Deriva Editores, Embaixada dos Países-Baixos, IEFP-IP, Moagem Ceres S. A., TNSJ.
 

sexta-feira, outubro 21, 2011

Crise de Versos, Stéphane Mallarmé [Gustavo Rubim, Ipsilon]


Crise de Versos, Stéphane Mallarmé,  Deriva


Ensaio


Esquisita crise
"Crise" também significa (em Grego) resultado ou desenlace e, assim, o que sai de uma crise de verso é outro verso. Soa esquisito, mas "exquise" é a palavra francesa que qualifica a "crise" como preciosa. Gustavo Rubim



Livros pequenos, poucos exemplares, circulação discreta, às vezes até despercebida: não é essa, hoje, a situação de quase toda a poesia?

Aqueles para quem a poesia não seja, simplesmente, uma coisa do passado ou uma irrelevante inexistência, terão a tentação de falar em "crise", mas ninguém dará a isso grande importância. Perante outras crises, ubíquas, assustadoras, uma "crise de versos" pesa pouco, quase nada. Nem era disso, aliás, que falava Stéphane Mallarmé quando em 1897 publicou, no volume "Divagações", esta "Crise de Versos" escrita em prosa fragmentada. Um dos textos mais lentos que alguma vez se escreveu: dez anos para compor (em boa parte, com passagens doutros escritos) as catorze pequenas páginas aqui duplicadas pela decisão de acompanhar a tradução com o texto original.

Não diminui, aumenta com isso a importância do trabalho de Rosa Maria Martelo e de Pedro Eiras, os tradutores. O Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa, do Porto, em que ambos trabalham e que dirige a colecção Pulsar (de que este nº 5 é o ponto alto), mostra como também no âmbito literário vale a lição de Mies van der Rohe: "Menos é mais." Que é aqui uma lição de leitura, pois levar este livrinho para casa e decidir-se a lê-lo é apostar em tudo menos no consumo rápido: a prosa de Mallarmé, nisso indistinta da poesia, é para ler mesmo devagar, saboreando a deliciosa dificuldade dos "seus sobressaltos e inversões", verificando como uma crise de versos é afinal "crise também da prosa - que se expõe e se assume", conforme ensinam os co-autores deste genuíno acontecimento nas nossas letras.

Mas crise, em Mallarmé, é praticamente uma palavra feliz. Ela designa, como sempre desde o Grego antigo, o instante decisivo, a separação, o próprio acto de escolher. Num dos parágrafos finais do texto, Mallarmé descreve um desejo moderno da poesia que é, precisamente, um desejo crítico: "Um inegável desejo do meu tempo é separar, para destinos diferentes, o duplo estado da palavra, ora bruto ou imediato, ora essencial." Esse desejo, que instala ou abre uma crise, uma divisão na linguagem, não é por isso menos afirmativo nem menos capaz de fundar a convicção da poesia. Isto é, em plena crise, a confiança no poder do verso: "O verso, que de vários vocábulos refaz uma palavra total, nova, estrangeira à língua e como que encantatória, completa esse isolamento da palavra (...)".

Não será fácil hoje aceitar esta celebração do isolamento da palavra pelo verso, a não ser, como já várias vezes sucedeu, trocando o entendimento por ressentimento e acusando Mallarmé (e outros) de isolar a poesia, de a mergulhar no ininteligível, de a afastar da fruição universal, etc. Mas não se faz essa troca sem sacrificar a poesia àquilo a que Mallarmé chama "a universal reportagem", o que vem a dar no mesmo que liquidá-la. Boa parte da grandeza inegável de Mallarmé, à distância de um século, é ter percebido que para a poesia moderna tudo se joga crucialmente na relação com a linguagem, porque "moderno" é o mundo onde todo o poder se traduz em forma e força de discurso.

Daí que a sua "Crise de Versos" seja a crise, ínfima, mas "preciosa, fundamental", como se lê no início, da relação da poesia com o seu traço mais tradicional e constitutivo: o verso mesmo, claro. É uma nova liberdade do verso que Mallarmé anota e intensifica, traçando o seu acontecimento local (em França, após a morte de Victor Hugo) e limitado, como se o verso se rompesse sem rotura: "sei que se explora mais um jogo, sedutor, com os fragmentos do antigo verso (...) do que qualquer súbito achado, completamente inédito." O verso livre, nesse sentido, é ainda um resultado do verso disciplinado, que nunca desaparece deste cenário crítico. Colhe-se aí a singularidade do pensamento de Mallarmé: "crise" também significa (em Grego) resultado ou desenlace e, assim, o que sai de uma crise de verso é outro verso. Soa um pouco esquisito, mas "exquise" é exactamente a palavra francesa que qualifica a "crise" como preciosa. E talvez a poesia não seja outra coisa senão o domínio em que só o esquisito é fundamental.

terça-feira, outubro 18, 2011

Conto da Travessa das Musas, de JOÃO PEDRO MÉSSEDER e MANUELA SÃO SIMÃO


A história que vou contar-te passou-se há muitos anos, na cidade do Porto. Ora escuta. Era uma vez um menino sem tempo para ficar quieto. Quando se cansava de ler ou de brincar sozinho, uma névoa toldava-lhe os grandes olhos castanhos. Sabia que apenas o deixavam sair se fosse para ir à escola, ou a recados à mercearia do senhor Carvalho ou à «loja das miudezas», como a mãe chamava a uma locanda onde uma doce senhora de olhos vesgos vendia carrinhos de linhas, botões, colchetes, fivelas e elásticos. Por isso, o João – era este o nome do menino passava horas sem fim à janela.

É assim que começa o Conto da Travessa das Musas, uma história de encantar e um desfiar de memórias e outras histórias. Um livro para pais, avós e netos .....


JOÃO PEDRO MÉSSEDER nasceu em 1957, no Porto, onde completou os seus estudos universitários e exerce funções docentes no Ensino Superior. Publicou mais de três dezenas de livros para a infância, além de diversos títulos de poesia. É autor de Abrasivas, Meridionais e dos livros infantis O Aquário e Vozes do Alfabeto, todos eles editados pela Deriva.

MANUELA SÃO SIMÃO nasceu em São Paulo, Brasil, em 1980. Veio com cinco anos para Portugal onde se licenciou em Artes Plásticas – Pintura, na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Tem desenvolvido projectos multidisciplinares que cruzam áreas como a performance, a instalação, o som, a rádio-arte, procurando em todos eles um lado relacional pelo trabalho de equipa. Orienta workshops de expressão plástica para crianças de diversas idades.

sexta-feira, outubro 14, 2011

O Homem que via passar as estrelas, amanhã, em Leiria

Sábado, dia 15, apresentação de O Homem que via passar as estrelas, em Leiria, no Solar dos Ataídes, 18h,

domingo, outubro 09, 2011

Crise de Versos, Stéphane Mallarmé [PULSAR]

 Crise de Versos, Stéphane Mallarmé 
Tradução e nota de leitura: Pedro Eiras e Rosa Maria Martelo

Elíptico,  extremamente condensado, interrogando tudo quanto poderia distinguir a poesia dos usos comuns da linguagem, o texto de Crise de Versos é, ao mesmo tempo, um diagnóstico e uma profecia. Por um lado, procura surpreender a dissolução de versos tradicionais, em particular do alexandrino (o verso oficial por excelência), ao longo da segunda metade do século XIX e sobretudo após a morte de Victor Hugo. 

Diagnóstico difícil de uma experimentação formal então ainda em curso: o que nos surge hoje como conquista definitiva e já distante (em termos de livre invenção de metros, cesuras, formas gráficas) era no tempo de Mallarmé um acontecimento recente, plural, a necessitar com urgência de teorização. Por outro lado, Crise de Versos antecipa as poéticas dos modernismos e das primeiras vanguardas, ao enfatizar a produtividade da tensão entre a busca de um princípio construtivo, que asseguraria a impessoalidade, e a dissolução das formas canónicas.

quarta-feira, outubro 05, 2011

Austeridade republicana

O senhor Cavaco Silva deve ser um saloio. Um saloio português e republicano. E austero, também. Pouco me importa quantos carapaus come ao almoço para que se prove consistentemente a sua «austeridade republicana», mas devo dizer que me chateia desde já que o homem ande a repetir a necessidade de sacrifícios contínuos à populaça que sempre cumpriu minimamente com o que se lhe pediu. Lembramo-nos todos que trabalhámos o que se pediu, pagámos o que se pediu, descontámos o que se pediu, aceitámos candidamente o que os governos nos roubaram na inflação, pagámos o IRS e o IRC, as mais-valias, as casas e os aumentos dos spreads, o aumento sucessivos do IVA, a publicidade enganosa dos bancos, o imposto automóvel, as Scuts, o aumento dos transportes públicos abusivos, as propinas, os descontos nos ordenados que todos os anos, há muitos anos, se vão minguando, os congelamentos, os despedimentos porque os patrões podem agora despedir se acordarem com o cu virado para a lua. Agora pede-nos o saloíissimo presidente que acreditemos que estamos perante o fim das ilusões. Claro que sim e bastava para isso ter assistido às manifestações do 12 de Março e das últimas dos sindicatos. O senhor Cavaco Silva como saloio que é, pede-nos que acreditemos que ele acredita nisso, ele que chefiou um governo que vendeu ilusões, alcatrão e empréstimos a rodos e desmantelou a economia produtiva só para se ser bom aluno da Europa. O que ele quer é dizer que nos avisou a tempo, mas que ninguém o ouviu. Como um bom saloio que é!

sábado, outubro 01, 2011

POESIA, APESAR DE TUDO. António Guerreiro [Expresso Atual]



POESIA, APESAR DE TUDO
Ao mesmo tempo que parece definhar sob a ameaça da falta de leitores e das regras editoriais, a poesia insiste e resiste, alheia às circunstâncias pragmáticas

"Para que serve a poesia hoje?”: a pergunta é formulada no título de um pequeno livro de um ensaísta e poeta francês, Jean-Claude Pinson, publicado em 1999, recentemente traduzido em português (Deriva Editores, 2011, trad. José Domingues de Almeida, 66 págs.)

Trata-se de uma conferência, seguida de discussão com o público, que o autor proferiu em Nantes. O tema ressuscita um tópico antigo, com origem na elegia de Hölderlin “Pão e Vinho”, em que o poeta alemão pergunta na sétima estrofe: “Para quê poetas num tempo de indigência?”. Desde então, o “wozu Dichter” — o “para quê poetas” — nunca mais deixou de ecoar como uma interrogação que a poesia moderna lança a si própria e se tornou obsessiva. Convém perceber que o ‘Dichter’ hölderliniano, num contexto em que a literatura se reflete e se interroga si própria, é mais do que aquele que escreve nesse género literário que se chama poesia: é o escritor enquanto figura de um absoluto literário que toma a poesia como o ideal a que aspiram todos os géneros e mesmo todas as artes. Mas, no nosso tempo, o verso de Hölderlin, embora constantemente evocado, ganhou outras ressonâncias: o que escutamos nele já não é a perda de um mundo desencantado, de onde os deuses se retiraram, mas algo muito mais pragmático: a condição desfavorecida e minoritária da poesia relativamente ao romance e a todas as formas literárias narrativas; a falta de leitores de poesia; a suspeita de que é uma arte anacrónica, num mundo dominado por uma racionalidade económica e por uma cultura do entretenimento a que ela não se adequa, de tal modo que soa a pedantismo dizer “eu sou poeta”. 

Traduzida nestes termos contemporâneos, a questão hölderliniana tem sido insistentemente ressuscitada e reativada, dando muitas vezes a impressão de que a morte da poesia é uma iminência, e que a sua vida está reduzida a uma precária sobrevivência. Daí a necessidade de a defender. E foi assim que o discurso de defesa e celebração da poesia se tornou uma espécie de oração — a oração crepuscular do literato —, ora declamada em chave fúnebre ora entoada com devoção pietista. O resultado é a autocomplacência e a exaltação de si própria como mito e verdade suprema — inclinações funestas que a empurram para uma morte bastante menos gloriosa do que aquela que lhe é infligida, segundo se diz, por fatores externos.
"Le poète allongé" (1915), Marc Chagall
Uma contrarreação, também tipicamente moderna, a esse amor de si própria e a todas as concessões a que ele conduz marcam esta era da suspeita. Desde que, em 1945, Roger Caillois publicou “Les impostures de la poésie”, a “situação da poesia” (era o título de uma das partes desse texto) tornou-se objeto de uma reflexão recorrente. Caillois começava esse capítulo com esta confissão: “Sempre me senti mais disposto a combater a poesia do que a entregar-me a ela”. Quase ao mesmo tempo, Bataille proclamava o ódio da poesia (“la haine de la poésie”) e, em meados dos anos 50, Gombrowicz publicou um volume intitulado “Contra os Poetas”, que abria com o texto de uma conferência homónima, proferida em Buenos Aires, em 1947, onde o escritor polaco declarava guerra à grandiloquência da “poesia pura”, à monotonia dos versos fascinados pela sua elevação enfática.
Embora sem evocar estas lições iconoclastas, Jean-Claude Pinson também entende que a ideia de uma nobilidade tradicional da poesia é o que menos falta lhe faz e constitui, até, o seu mais poderoso inimigo. Recordemos que, no meio literário português, estas questões foram suscitadas com alguma polémica por uma antologia organizada por Manuel de Freitas, em 2002, que se chamava “Poetas sem Qualidades”. O pequeno livro de Jean-Claude Pinson insere-se, portanto, num tópico que um conjunto de fatores de vária ordem tornaram recorrente. O seu ponto de partida é a verificação de que é caduca e nada pertinente a velha questão da utilidade da poesia. E, a certa altura da sua conferência, evocando uma proposição de Paul Klee que teve em Deleuze uma repercussão importantíssima, Pinson afirma que o poeta “escreve para ‘um povo que falta’, um povo desconhecido”. Prolongando esta consideração, podemos talvez acrescentar que nos cálculos dos poetas nunca esteve, nem pode estar, um público preciso, definido como alvo, ao contrário do que acontece com as formas literárias que foram submetidas aos ditames da indústria cultural e editorial. Enquadrando este pequeno livro numa já longa história, recordemos que o tema que ele desenvolve teve uma emergência importante num número da revista “Action Poétique” (nº 133, de 1993), onde se perguntava a uma série de poetas: “La forme poésie va-t-elle, peut-elle, doit-elle disparaître?”. Mas devemos lembrar também a pergunta do poeta Henri Michaux: “Où va la poésie” (retomada, aliás, exatamente da mesma maneira, por um poeta chamado Benard Noël); e referir um outro pequeno livro, de outro poeta e ensaísta francês, Christian Prigent, que também declinava no título — “À quoi bon encore des poètes?” (1996) — o célebre verso de Hölderlin. Como é fácil perceber por esta breve enumeração, o tema tem sido longamente glosado.
Quando se fala do lugar reduzido a que a poesia está confinada, temos de falar das contingências editoriais, da regra que expulsa os livros de “rotação lenta” dos escaparates, em nome da rentabilidade por centímetro quadrado das livrarias. Essa vida pública cheia de dificuldades começa por uma lei irrevogável que o poeta e ensaísta alemão Hans Magnus Enzensberger formulou assim: a poesia é o único produto da atividade intelectual do homem que está imunizado contra a tentativa de exploração comercial. Ela não se adequa às re­gras do mercado e não alimenta nenhuma indús­tria. Que, nestas circunstâncias, ela persista, eis o que leva Enzensberger a considerar que se trata de um milagre e de um anacronismo, para con­cluir a seguir que esse seu carácter invendável é o seu misterioso privilégio.

Reside aqui o paradoxo da poesia: anacrónica. mas sempre atual: condena­da a desaparecer por imposições sociais, económi­cas e culturais, mas persistente e obstinada. De tal modo que Enzensberger, com uma ironia demoli­dara,  observa esta caracterísstica bizarra: "Há mais poemas a serem escritos do que a serem lidos, a poesia é o único medium de massa em que o núme­ro de produtores ultrapassa o dos consumidores"_ E, formulando uma lei do carácter imutável deste público limitado (a que chama com humor - cons­tante de Enzensberger-), determina-o empirica­mente de maneira precisa: mais ou menos 1354 leitores, para todas as culturas e comunidades lin­guísticas tenhas elas 250.00 leitores ou 250 milhões. Estas afirmações datam de  1985, mas podemos perceber o que elas significam em função dos desenvolvimentos da indústria editorial.


O romance, cuja morte também foi amplamente anunciada durante quase todo o século xx, acabou por se tornar hegemónico (colonizando, em termos de circulação pública, quase todo o espaço da litera tura) e ganhar um estatuto comercial importantíssi­mo. Mas a morte do romance nunca foi anunciada da mesma maneira que a morte da poesia: o roman­ce estava condenado à morte - dizia-se - porque se tinha esgotado a fórmula narrativa que o engendrou e tinha sido destruída a razão de onde ele provinha e tinha terninado a sua história (tratava-se, portamo, de uma morte por causas endógenas); já a poesia, enquanto género, nunca se sentiu definhar por ra­zões internas (mesmo o "para quê poetas”, de Hölderlin, não é um apelo à desistência e um incitamen­to à morte) e o seu lugar no intetior do sistema lite­rário nunca sofreu vacilações.  O grande sucesso do romance, no nosso tempo, teve ao mesmo tempo o efeito da sua perda de autonomia: ele perdeu o po­der e o privilégio de criar "um povo que falta'" para se dirigir exclusivamente ao público produzido pelas regras do consumo. Neste sentido, ele tornou·se mais do que um género literário, um género edito­rial, consagrado, aliás num uso ad hoc, instrumen­tal, das categorias ficção/não·ficção. Estamo-nos a referir, evidentemente, a uma literatura narrativa de entretenimento, que constitui um filão importante da atividade editorial e que absorve a maior parte daquilo que, uos modos de difusão e circulação, pas­sa por literatura. Se falarmos do romance que res­ponde a outra exigência que não a de fabricar narrativas segundo códigos e gostos que só têm a ver com um novo género de literatura universal - feita no alheamemo da língua a da tradição, como instru­mento de uma mentira generalizada, para poder atravessar fronteiras - o mais provável é descobrir­mos que ele contempla, do alto-mar, o continente firme e próspero, e entoa com a poesia esta certeza:"Estamos no mesmo barco”.
Em França, dados recentes dizem que a poesia tem um peso de 0,2% do volume de negócios anual do sector do livro e isso corresponde a 0,31% do total de livros vendidos. Uma insignificância, portanto, contrariada pela Espanha, pelo menos de acordo com a situação descrita pelo "EI País"', em 2003 (já passou quase uma década. os dados altera­ram-se, certamente. mas a presença forte das cole­ções ele poesia nas livrarias espanholas é um facto notável), onde se falava de uma proliferação de editores de poesia e de tiragens que, em casos excecio­nais, podiam ir até 10.000 exemplares. Números que não são suficientes para criar best-sellers, mas temos de pensar que o padrão é que uma primeira edição de um livro de poesia não ultrapasse a ordem das centenas. Foi assim com Baudelaire, foi assim com Mallarmé, e assim continua a ser com os poe­tas contemporâneos. Portanto, nada de muito grave aconteceu entretanto, a não ser uma ilusão de ótica criada pela lógica da indústria editorial e dos seus postos avançados. 

Em Portugal, houve nos últimos anos um re­cuo considerável da poesia tanto nas livratrias como no espaço público mediático. Há um raciocí­nio, responsável por um círculo vicioso, que fez escola em muitos domínios da cultura: parte-se do preconceito de que as pessoas só gostam de x ou y, o que justifica a decisão de só lhes oferecer isso e lhes retirar o acesso a tudo o resto. O círculo vicioso cumpre-se então desta maneira: dada a convic­ção de que só uma pequena minoria ociosa e nada rentável lê poesia, tudo será feito para que nem essa pequena minoria possa satisfazer os seus hábitos. E o pequeno tornar-se-á ínfimo, graças a uma profecia que se autorrealiza. Mas, se passarmos para a esfera muito mais complexa da consagração, as coisas passam-se de outra maneira. Aí, por razão que a nossa história literária do último século e meio explica, a poesia adquire uma enor­me importância e é o romance que passa a um estatuto de menoridade. Foi assim ao longo de todo o século XX e pouco nesse domínio, se alterou. A literatura portuguesa mais recente, com poucas exceções, continua a ser dominada por alguma poesia: é ela que alimenta alguma discussão literária; é ela que dialoga com a tradição literá­ria; é ela Que nos faz aceder, como um sismógrafo, ao registo dos abalos do tempo. Ela ri-se - e nós com ela - dos jogos florais a que está reduzido o débito regular, minuciosamente calendalizado, da produção romanesca.  António Guerreiro, Expresso Atual, pg. 34-36, 1.10.11